Beleza Roubada


me descobrindo...
me revelando...








OdetedePaula




14/03/2014

a flor silenciosa de mil e uma pétalas concêntricas

Essa lembrança que nos vem às vezes...
folha súbita
que tomba
abrindo na memória a flor silenciosa
de mil e uma pétalas concêntricas...
Essa lembrança...mas de onde? de quem?
Essa lembrança talvez nem seja nossa,
mas de alguém que, pensando em nós, só possa
mandar um eco do seu pensamento
nessa mensagem pelos céus perdida...
Ai! Tão perdida
que nem se possa saber mais de quem!
- Mario Quintana -

12/03/2014

deixa eu ver sua alma

deixa eu ver sua  alma by Odete de Paula
deixa eu ver sua alma, a photo by Odete de Paula on Flickr.
Alma - Zélia Duncan
www.youtube.com/watch?v=sGijej_W6Mg

Alma,
Deixa eu ver sua alma,
A epiderme da alma.

Superfície.
Alma,
Deixa eu tocar sua alma,
Com a superfície da palma
Da minha minha mão.

Superfície.
Easy, fique bem easy,
Fique sem, nem razão da superfície,
Livre, fique sim livre,
Fique bem, com razão ou não,
Aterise.

Alma,
Isso do medo se acalma,
Isso de sede se apaga,
Todo pesar, não existe.

Alma,
Como um reflexo na água,
Sobre a última camada,
Que fica na superfície.

Crise, já acabou.
Livre, já passou o meu temor
do seu medo sem motivo.

Riso, de manhã,
Riso, de neném, a água já molhou a superfície.

Alma, daqui do lado de fora,
Nenhuma forma de trauma sobrevive.
Abra, a sua válvula agora,
A sua cápsula,
Alma, flutua na superfície.

Lisa, quem me alisa,
O seu suor, o sal que sai do sol, da superfície.
Simples, devagar, simples,
Bem de leve, a alma já pousou na superfície.

Alma, daqui do lado de fora,
Nenhuma forma de trauma sobrevive.
Abra, a sua válvula agora,
A sua cápsula,
Alma, flutua na superfície.

Lisa, quem me alisa,
O seu suor, o sal que sai do sol, da superfície.
Simples, devagar, simples,
Bem de leve, a alma já pousou na superfície.

Alma, daqui do lado de fora,
Nenhuma forma de trauma sobrevive.
Abra, a sua válvula agora,
A sua cápsula,
Alma, flutua na superfície.

Lisa, quem me alisa,
O seu suor, o sal que sai do sol, da superfície.
Simples, devagar, simples,
Bem de leve, a alma já pousou na superfície.

Alma,
Deixa eu ver sua alma,
A epiderme da alma.

Superfície.

Alma,
Deixa eu tocar sua alma,
Com a superfície da palma
Da minha minha mão,
Superfície.

Alma,
Deixa eu ver,
Deixa eu tocar.
Alma,
Deixa eu ver,
Deixa eu tocar,
Alma.
Superfície.
Alma, deixa eu ver sua alma.
Alma.

Zélia Duncan / Alma

11/03/2014

devo tentar escutar

Para compreender as pessoas devo tentar escutar o que elas não estão dizendo, o que elas talvez nunca venham a dizer.
- John Powell -

No movimento da borboleta

Passa uma Borboleta por Diante de Mim
Passa uma borboleta por diante de mim
E pela primeira vez no Universo eu reparo
Que as borboletas não têm cor nem movimento,
Assim como as flores não têm perfume nem cor.
A cor é que tem cor nas asas da borboleta,
No movimento da borboleta o movimento é que se move,
O perfume é que tem perfume no perfume da flor.
A borboleta é apenas borboleta
E a flor é apenas flor.
Alberto Caeiro

devo tentar escutar

Para compreender as pessoas devo tentar escutar o que elas não estão dizendo, o que elas talvez nunca venham a dizer.
- John Powell -

10/03/2014

equilíbrio é igual felicidade

Ninguém se equilibra sendo absolutamente triste.
Ninguém se equilibra sendo uma pessoa que só se queixa do mal e faz a biografia da dor.
Ninguém se equilibra se estiver a todo instante à primeira pessoa que se aproximar a contar tragédias.
Ninguém se equilibra se estiver com um caderninho na mão para anotar todas as coisas erradas que o vizinho, o parente, o amigo, fez.
Ninguém se equilibra se não cuidar efetivamente da alimentação, não cuidar da alimentação do espírito,
e assim sucessivamente.
- Leocádio José Correia -